14 de Setembro:

 

Exaltação da Santa Cruz, marca distintiva do nosso Carisma:

CRUZ, consequência do absoluto do amor!

 

“Alegremente abrace, pois, toda mortificação, contradição, cruzes e percorra com alegria o caminho do Cal-vá-rio”. (Pe. Vicente Gargiulo, Cart. P.2)

 

“Informadas do Espírito de Jesus Cristo” (1Cor 6,17), estamos na sua sequela na contemplação dos eu mistério de Cruz e Ressurreição em “espírito de doçura, de humildade, de abnegação e de mortificação”, e na alegria, anunciamos que só Ele salva. Deixamo-nos guiar pelo Espírito num caminho cotidiano de conversão evangélica, até o “já não sou eu que vivo, pois é Cristo que vive em mim” (Gl 5,18) para viver e amar com Ele.

O eixo e fundamento da experiência espiritual  de São Francisco de Assis e São Pedro de Alcântara, é o seguimento e a imitação de Cristo Pobre e Crucificado. Na meditação e contemplação da Paixão no Mistério da Cruz experimentamos o sentido do nosso “estar” ao lado das cruzes dos homens do nosso tempo.

(cf. Regra Fundamental)


↩ Voltar